2 de out de 2010

A vida como ela é

































Imagem daqui







Sabe, tomei uma decisão.

Se já tentava "desafrescalhar" as coisas aqui no blog, agora isso pra mim é uma questão de honra.

Como vocês sabem, passei a vida toda em Manaus e sei como é frustrante ler uma receita onde a metade dos ingredientes terão que ser adaptados ou substituídos por que não chegavam na minha região. 

Na minha terra há uma abundância enorme de ingredientes, uma culinária riquíssima e saborosíssma, com todo seu jeito manaura de ser. Aliás, o Amazonas é um estado que acolhe todo o Brasil (e dadas suas dimensões geográficas, pode-se dizer quase que literalmente), recebe as pessoas com respeito, se abre para outras influências culturais numa boa, sem ressentimento, e na culinária então, não tem medo de se "misturar". Até mesmo a irônica rixa com os vizinhos paraenses, com quem um dia já foram um só, acaba quando nas férias todo mundo se manda para as praias de rio mais lindas do Brasil, em Alter do Chão. Mas eu não via dessa forma quando morava lá. Queria fazer pratos com a cara de outros estados e regiões. Não dava o devido valor às coisas típicas da minha terra, das quais hoje morro de saudade.

Quando vim morar em Recife, adorei ter acesso fácil a outros tipos de fruta, novos sabores, aprender a fazer um cuscuz rapidinho e infalível, descobrir que aqui se come tranquilamente a mesma comida no café, almoço e jantar, que pode ter macaxeira, queijo coalho assado com salsicha e charque.

Experimentar pela primeira vez bode guisado, coxinha de charque com catupiry, pizza de cartola, cachorro quente de carne moída, como é feita na família do meu marido, observar e entender os costumes, o quanto o povo daqui valoriza e tem orgulho da sua cultura... Tudo isso tem sido um grande aprendizado pra mim, um exercício constante de construção e reconstrução de novos olhares sobre esse ato tão simples - o comer - e o que ele representa na história de uma pessoa, na organização da rotina de uma casa...

Venho do norte do país e moro em Recife, mas aqui em casa não comemos comida amazonense ou pernambucana, mas comida boa, comida gostosa, tenha ela a origem que tiver.

Por que eu estou dizendo tudo isso?

Por que ando meio cansada de ver pela net gente exibindo pratos que dificilmente a maioria das pessoas nesse nosso Brasil teria condições de fazer, sabe.

Um país rico, mas com péssima distribuição de renda.

Fico pensando: "Quem disse que o que determina que nossa comida é boa é o valor dos ingredientes"?

"Quem disse que a comida que agrada nosso paladar tem que ter ingredientes comprados em lojas de produtos importados"?

Queijos suíços, mostarda francesa, sal que custa o olho da cara, não, minha gente, isso NÃO chega à maioria das pessoas.

Pra quem tem acesso fácil por ser barato na sua região, ou por ter uma condição financeira privilegiada, ótimo, que legal, fico feliz por você, de verdade!

Mas fecho com o personagem de Paulo Tiefenthaler do Larica Total (que minha querida Chris e seu marido fizeram a boa ação de me apresentar): comida boa é comida de verdade. Seja ela - a verdade - qual for. A verdade da minha comida é que eu vivo como boa parte dos brasileiros: fazendo malabarismos no orçamento do marido pra alimentar minha família com um cardápio balanceado, saudável (sem radicalismos), e GOSTOSO. Pechinchando na feira, no mercado, cortando aqui, esticando ali, congelando acolá, aproveitando sobra pra inventar prato novo, já que ir pro lixo é inconcebível... Comendo orgânicos quando dá, por que muitas vezes a gente tem mesmo que se entupir de agrotóxico, já que os orgânicos via de regra são mais caros.

Isso sem falar nas outras coisas que não são mostradas nem ditas, tipo: minha cozinha não é tão limpa quanto eu gostaria, minhas panelas não são brilhantes, eu tenho preguiça de lavar a louça, com certa frequência a comida fica mais salgada do que deveria, que de vez em quando eu junto tudo o que tem de resto na geladeira, boto na panela, quebro uns ovos e voilá, saiu a janta. Ah, e nos dias em que só dá pra sair um macarrão com sardinha em lata então? E tem que ser parafuso (nada de fusilli), que é mais difícil engororobar, e foi. Almoço garantido. E o marido adora, de verdade =)

E eu sei que a maioria das pessoas que lê blogs de culinária acha super bonito quando vê e até gostaria de fazer pratos mais elaborados, sofisticados, mas no final das contas a identificação acontece mesmo é com a culinária "possível". Aquela que entra na nossa casa, na nossa mesa, que entra no caderninho de receita sujo de manteiga, ou fica gravada na memória por ter sido repetida tantas e tantas vezes.

Enfim, depois de falar tanto, não sei como terminar esse post, o cansaço bateu forte agora, então vai ser um post "sem fim", já que a gente continua essa conversa nos comentários... Desculpem essa cozinheira cansada, mas é que hoje foi pesado, mas foi bom demais, por que passei o dia no lugar onde mais gosto de ficar. Advinha qual é?


Em tempo: a Cami, do naminhapanela também continuou a conversa por lá, dá uma olhada!

15 comentários:

  1. Concordo plenamente. Já teve blog que eu deixei de seguir por causa disso. Eu nunca iria fazer aquelas receitas, então pra quê ficar olhando?!
    Por isso que meu blog se chama "Cozinha sem drama". É sem drama pra fazer, para encontrar e comprar os ingredientes. Nada de querer fazer o que não dá, não é?
    Ótimo post Juliana.

    Abraços, Daniana
    http://cozinhasemdrama.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi Juliana,
    Estes dias vi em um programa onde a apresentadora perguntou a gourmets famosos, que comida eles mais gostavam...todos responderam coisa do tipo: "a galinha com polenta que minha tia faz"...depois de provar vários sabores, eles sabem que o que é mais gostoso é o sabor de nossa história contada por gerações.
    Lindo seu texto, libertador! bjssss

    ResponderExcluir
  3. Jú,
    Digo só uma coisa, aqui em casa tbm se come comida boa! E quando eu pensei no meu blog foi justamente pensando nisso, que muitas vezes não é usando um ingrediente que custa caríssimo que o prato fica bonito e gostoso, mas é o amor e o carinho que vc tem pela comida que está fazendo é que faz a maior diferença! Movimento criado: Comidas Possíveis!!!

    ResponderExcluir
  4. Dani, e é por isso que eu adoooooro o nome do seu blog =)

    Léia, é verdade. No fim das contas a gente anda, anda, inventa mas acaba voltando pro mesmo lugar...

    Cami, movimento criado é ótimo, kakakaka... E amor é fundamental sim, concooooordo! Bj!

    ResponderExcluir
  5. Ju, adorei o texto e concordo contigo. E cá entre nós, mesmo quando queremos incrementar, inovar, podemos fazer sem frescura, sem gasto extra. Na minha casa tem sido assim, cada dia mais: nhoque de banana, galinhada, caldos inventadas a partir de sobras... e nada se perde, tudo se transforma!
    Esse papo me lembrou a resposta que meu pai me deu quando, na adolescência, eu perguntei quais frutas ele mais gostava. E ele disse "as da estação". E é isso, o melhor ingrediente é o da época; fresco, saboroso e acessível.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  6. Maria, seu pai é um homem sábio =) E adoro seu blog justamente por tudo isso que vc disse.

    ResponderExcluir
  7. Eu sempre soube que tinha achado um blog de culinária muito arretado quando te achei na blogosfera. Esse post só confirmou isso. Viva!

    ResponderExcluir
  8. Patrícia/Campinas04/10/10 11:46

    Olá, Ju. Concordo plenamente com você. Comida é como roupa. Quem consegue usar aquelas "coisas" do fashion week? Acho que como as roupas essas receitas muito incrementadas só nos servem (digo às pessoas criativas) pra fazer brotar idéias e é com o que temos em casa, na estação em que estamos, dentro do nosso orçamento, do gosto da nossa família amada é que elaboramos um cardápio otimo.
    Amor e criatividade é tudo. Não gosto daquelas coisas do tipo; peneire tudo milimetricamente, 398 gramas disso, 49 gramas daquilo, pra falar a verdade, acho que nem "elas" fazem isso e se fazem, não vejo onde comem melhor do que nós. Pronto! Falei! Beijos

    Patrícia/Campinas

    ResponderExcluir
  9. Lí certa vez, acho que na revista Bons Fuídos, que deveríamos cozinha pensando em coisas boas. É claro que tem aquele dia que não dá nem tempo pensar... ou outra coisa qualquer, mas tento e muito fazer sempre algo bom, com pensamentos elevados e para o bem de todos, respeitando todas as preferencias.
    Já passo no seu blog todos os dias e certamente vou aproveitar ainda mais.
    bj

    ResponderExcluir
  10. Eita que a conversa tá rendendo...

    ResponderExcluir
  11. Gente, que issoooo??? Descobri esse blog agora e já estou adorando! Tanto pela blogueira em si quanto pelos comentários relevantes! Tô seguindo, ca-la-ro! Mas é isso mesmo, há receitas que dão água na boca só pelas fotos... mas quando vejo o conteúdo "fashion-week" (como disse acima a Patrícia) desisto de fazê-la. Aqui a gente encontra tudo de gostoso e acessível. Parabéns pelo Blog! Bj!

    ResponderExcluir
  12. Menina "do céu" (expressão tipicamente da minha terrinha,Piauí)!!
    Descobri seu blog através do blog Bicha Fêmea, num post sobre trabalhar em casa e estou maravilhada !
    Não sou muito amiga da cozinha no dia-a-dia,mas quando leio blogs como o seu, acontece um milagre: Dá uma vontade louca de saber tudo isso e fazer também, nos finais de semana, a princípio...rsrsrsr.
    Mas seu texto é gostoso assim como as receitas ,imagino...
    Parabéns pelo belo trabalho!

    ResponderExcluir
  13. Oi amiga! Concordo plenamente com esse seu post. sei que é antiguinho, mas vale sempre a pena voltar e ler novamente. Fiz um blog de culinária para mim, para sanar a minha necessidade de contar pra alguém (ou escrever num diário, pq tenho vergonha de divulgar!)o que estava fazendo de gostoso num momento em que não podia comer quase nada por causa de uma alergia. Mas de nada adiantava fazer uma receita com ingredientes impossíveis e que ninguém conseguiria reproduzir, um dos grandes problemas de quem sofre de restrição alimentar, o pessoal inventa uns ingredientes que são absurdos, nada práticos e que ninguém sabe onde encontrar.
    O gostoso de cozinhar é poder fazer mágica com o que temos em casa e tornar a nossa cozinha um laboratório de alquimias!
    Vc é minha inspiração!
    Beijokas
    Paola

    ResponderExcluir
  14. Como pode? Esse assunto continua atual! Passam anos, e a coisa é a mesma! Adoro seu blog pq vc fala a minha lingua! Adooooooro! Parabéns!

    Déborah (mãe e esposa aqui de SC)

    ResponderExcluir

Esta e outras receitas você encontra no www.pitadinha.com

Related Posts with Thumbnails